sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Whatsim

É what, com "h", estagiário de merda!
Ontem, alguns blogs de trollc...digo, tecnologia postaram informações sobre o Whatsim, um SIM card (aquilo que o camelô insiste em gritar: "chip da Claro, da TIM, da Vivo e da Oi!!!!") exclusivo para usar o Whatsapp, que funcionará em 70 países. Mas o que eles não contaram?

Dentre os posts que li, o do Ghedin num blog chinfrim (rimou!) foi o que mais se aproximou da verdade, porque ele chegou a postar um link, mas aposto que pouca gente o seguiu, e, então, vou expor a verdade de maneira mais clara.

Todos os blogs informaram que quem adquirir o Whatsim terá que pagar uma anuidade de 10 euros, mas quase ninguém explicou que você não usa dinheiro, mas créditos. E, conforme o custo de ligação à rede em cada país, você gastará mais ou menos créditos para usar o Whatsim.

A imagem abaixo é autoexplicativa:

Separaram os BRICS! A Dilma pira!

Sabe aquela coisa linda que está dita logo no artigo 1° da Declaração Universal dos Direitos Humanos e que consta no artigo 5° da nossa Constituição, que diz que todos os homens são iguais? Tudo balela. Quando a coisa envolve dinheiro e poder, igualdade não existe.

Mas, se você é brasileiro, já tinha concluído isso sozinho há muito tempo. Tem gente que compra celular de 3 mil reais para tentar se destacar na multidão. 

Bom, voltando ao artigo: assim como os barcos as pessoas, os países também são tratados de maneiras diferentes quando a coisa tem um viés econômico (Custo Brasil, estou falando de você!), e, logicamente, uma proposta internacional, como a do Whatsim, levaria isto em conta.

Assim sendo, a raça humana foi dividida em 4 zonas, que pagarão a mesma anuidade, mas quem vive em cada uma delas vai despender mais ou menos créditos em relação a quem mora em outra zona. Podemos facilmente observar que os gastos de créditos aumentam conforme a região, assim: Z1<Z2<Z3<Z4. Então, a Zona 4 gasta mais créditos que todas as outras, e a que menos gasta é a Zona 1.

Na Zona 1 estão, basicamente, os países do chamado Primeiro Mundo, onde a concorrência entre as empresas de Telecomunicações efetivamente funciona e onde a infraestrutura é...bem, de Primeiro Mundo. Existem algumas poucas exceções, como a Albânia, a Tailândia e a Bulgária, mas acredito que seja pela proximidade geográfica com grandes centros, já que Albânia e Bulgária ficam na Europa (meio mal localizadas, mas ficam) e a Tailândia é colada na Malásia, um país altamente tecnológico.

Gente fina é outra coisa!
O Brasil está na Zona 2, que é a menor, e onde seus créditos valem um pouquinho menos que os da Zona 1:

Aqui, Primeiro Mundo virou exceção - Japão
 Peraí, eu disse um pouquinho? É uma diferença absurda! 55 créditos a mais para mandar fotos, 200 para mandar vídeos e 10 para mensagem de voz! Mas poderia ser pior. Vejam os preços praticados na Zona 3:

O que o Canadá está fazendo nesta zona???
Esta zona poderia se chamar "o dobro ou nada". Simplesmente o dobro de créditos gastos pela nossa Zona 2, e só posso entender que tem a ver com a prestação de serviços móveis nestes lugares, porque o fator proximidade geográfica excluiria Bolívia, Chile, Colômbia, Paraguai e Venezuela, que são nossos vizinhos.

Falando em vizinhos, a surpresa de verdade veio quando vi Uruguai e Argentina figurando na Zona 4:

A zona das ilhas
Enfim, se os argentinos se acham um povo de Primeiro Mundo, praticamente uma repartição da Europa na sudamérica, devem estar mais do que felizes em poder ostentar pagando mais que a maior parte do mundo - Brasil incluído.

E vocês, o que acham? É justa a distribuição da cobrança? O Brasil foi devidamente colocado na Zona 2? Pretendem usar o Whatsim em alguma viagem ao exterior?


MRJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário