segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Gente desnecessária na MPB - parte 1

Clemência!!!! Cadê os Direitos Humanos????
Isto aqui é um blog e este é um post absolutamente parcial, porque se trata de minha opinião pessoal. Se você quiser discordar, foda-se sinta-se à vontade.

Infelizmente, na semana passada, começou a época mais tenebrosa da TV no Brasil, com mais uma edição do tal BBB. Gente desnecessária, como os "brothers" (o único que respeito é o Gil Brother) e o Bial invadindo JN, Fantástico, a vida, o universo e tudo mais. Mas não vou me alongar nesse assunto, porque já falei disso.

Eis que, zapeando entre canais, dou de cara com mais um comercial com a nefasta pessoa de Carlinhos Brown, e me apercebo que tenho visto muito mais a cara deste elemento do que o necessário (que seria, bem...nunca!).

O cara tem estado, de fato, em todas. Comercial do TSE, The Voice Brasil, Circuito BB etc. Mas por quê? Sério: que música credenciou este cidadão a ser tão festejado pela mídia? Terá sido a poética (sarcasm level: ultimate, doravante simplesmente SLU) "Agua mineral" (do Candeal/você vai ficar legal) ou a romântica (SLU) "A namorada"? Alguém aí conhece alguma outra música desse cara? Baianos não contam para fins desta pesquisa, porque estamos falando em música brasileira, não regional.

O que o Carlinhos Brown fez de fato na vida, musicalmente falando, além de ter sido genro do Chico Buarque e da Marieta Severo? Se a minha visão está correta, ele não produziu nem produz nada que preste. Então, por que não segue o bom exemplo do resto dos músicos (?) da Bahia e se circunscreve somente ao Carnaval de Salvador, submergindo nas trevas durante o resto do ano? (bom, esta é a regra, mas parece que a mídia - fdp, sempre ela! - também cria suas exceções, como a intragável Ivete e seu Pokémon Claudia Leitte - esta última, pelo menos, é bonita e gostosa, #prontofalei).

Mas, para não dizerem que estou implicando com a Bahia (porra, bem agora que eu ia linchar a escrota da Pitty!), vou virar minhas baterias contra um conterrâneo: Marcelo Camelo. Não conhece pelo nome? Não tá perdendo nada. Mas você conhece uma banda porre chamada Los Hermanos, que transformou nossos ouvidos em penico com uma música (???) chamada "Ana Julia", há alguns anos? Pois o tal Marcelo é o vocalista desta banda (que não sei se é uma banda de merda ou uma merda de banda).

Alguém, por favor, cita outra música do Los Hermanos? Não sabe? Nem eu, e ainda bem! Na minha concepção, o ponto alto da banda foi a porrada que o rebelde Chorão, do Charlie Brown Jr. deu nos cornos do Marcelo Camelo.

À esquerda, chorou; à direita, Chorão! XD
Como não podia deixar de ser, um chato chama outro chato, e, felizmente, pela união dos seus poderes eu sou o Capitão Planeta! entre dois chatos gerou-se o silêncio, já que ele começou a namorar a Mallu Magalhães, há alguns anos, e ela deve fazer um fio-terra super gostoso nele, já que os dois sumiram e nunca mais encheram o saco!

Quê? Sério? Putz! Atenção: notícia de última hora: estão falando aqui no meu ponto eletrônico (sanduíche-íche mode on) que o casal desnecessário lançou uma porra de um disco escroto e que tem até uns loucos que estão falando bem. Se esta matéria da Folha for verdadeira, podem fechar o boteco, que a música brasileira acabou. Tenho fé em Deus que o disco deles só foi considerado bom porque foi comparado com hits do fanque* carioca e do sertanojo universiotário.

Onde é que eu estava? Desculpem, preciso me recuperar depois dessa. Acho que vou ouvir uma música melodiosa e ainda homenagear um ~amigo~. Estão todos convidados, basta dar o play:


Desculpe por acabar com seu dia dessa maneira, fazendo você ficar com este maravilhoso (SLU) refrão na cabeça pelo resto do dia, mas é que eu não gosto de ficar puto sozinho (trolling mode on). Além do mais, descobri que o ~amigo~ homenageado está de malas prontas e fiquei muito triste... ='(

Para terminar, de modo a que não me acusem de sexismo, vamos falar da desnecessária Fernanda Takai. Se você é daqueles que não acreditam que o Acre existe, a Fernanda é uma prova de que pelo menos o Amapá existe, já que ela nasceu lá, num lugar chamado Serra do Navio.

Parece que ter nascido num lugar com nome de navio no meio do mato onde nem tem mar fez a Fernanda pensar na vida e, por isso, ela é uma pessoa absolutamente honesta. Só posso entender assim o excesso de honestidade dela, que, quando criou uma banda, botou o nome mais honesto de toda a música brasileira: Pato Fu - quem compra o CD é pato e está fu.

Dona de uma voz chata, de um tom desagradável e mais enjoativo que a Marisa Monte, ela anda sumida, para descanso dos nossos ouvidos. Sério, cara: que coisinha chata é a voz dessa mulher!

Se você é daqueles que acreditam no Apocalipse, na vinda dos ETs ou qualquer outro evento catastrófico, já aproveite para mandar email para a Globo solicitando que nunca, jamais e em tempo algum misturem Carlinhos Brown, Marcelo Camelo e Fernanda Takai no mesmo programa, sob pena de acabar com a civilização como conhecemos.

E se o programa for o Esquenta, será o fim do próprio universo.

Podem reparar que coloquei "parte 1" no título, porque com certeza há muito mais gente desnecessária - no presente, passado e, infelizmente, no futuro - da música brasileira. Deixem sugestões nos comentários.

*fanque: neologismo criado pelo +Eric Mac Fadden num comentário, em que ele dizia que usar o termo funk para estas merdas de tchu-tchá-tchá que estão em voga é cagar em um movimento legítimo que teve seu lugar na história e deixou artistas lendários. Concordo e já adotei o termo. Breve num Dicionário Aurélio perto de você.

MRJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário