segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Cuidado com o peixe



Quem curte comer peixe aí? Pelo menos uma vez na semana, às vezes mais, eu costumo comer peixe. Mas você sabia que é preciso tomar cuidado com o tipo de peixe que se come e até a quantidade?

Alguns dos peixes mais comuns no mercado podem ser, também, muito perigosos. Num país com 8500 Km de litoral, cheio de rios (inclusive o poderoso Amazonas, segundo maior do mundo em extensão e o maior em  volume de água), lagunas, lagoas, lagos, chega a ser estranho o preço do peixe ser tão alto. Tão alto que vale mais a pena importar.


Entre os peixes mais baratos do mercado, hoje, estão o Panga (Ásia), o Polaca (Alasca) e a Merluza (Argentina).

A Merluza é consumida já há bastante tempo, e, aparentemente, não causa grandes transtornos, assim como o Polaca. Este, aliás, é pescado no Alasca, dá uma voltinha pela China, onde é processado, embalado, congelado e finalmente vem parar aqui a um preço baratinho. Expliquem essa, ateus! Porra, vocês não explicam nada!

Polêmico mesmo é o tal Panga, um peixe que vem da Ásia (Camboja, Vietnã). Uma rápida pesquisa na internet mostra que o bicho é natural do rio Mekong, um dos mais poluídos do mundo, e muita gente tentou embargar a importação, dizendo que o peixe tem altos teores de metal pesado, de poluição, e o caramba.

Mas nossos apaixonados, sérios e vigilantes governantes do PT mandaram duas missões dos ministérios da Agricultura e da Pesca investigar o peixe in loco nos últimos 5 anos, e as duas missões atestaram que o consumo do Panga é seguro. Ah, bom. Se os ministros da Dilma disseram, eu acredito, sqn.

Zanzando por esse mundão de meu Deus que é a internet, descobri que tem um outro peixe baratinho que é gostoso e traz um problema que eu nunca tinha imaginado. O Congro Negro. Já comeu?

Congro negro - vingança post mortem

Este peixe maroto tem uma carne branca, macia e deliciosa, que é capaz de nos induzir à gula somente para vingar sua morte. Também conhecido como peixe-prego, o congro negro deveria ser conhecido como peixe-prega, porque o safado tem uma carne com alto índice de oleosidade, o que acaba gerando uma borra cor de laranja que literalmente escapa pelas suas pregas.

O nome científico do negócio é keriorrhea (no original grego: fluxo de cera), mas não confunda com a velha conhecida diarreia. O fato é que seu intestino pode estar funcionando bem, e até suas pregas podem estar bem apertadinhas, mas nada conseguirá deter o fluxo menstrual causado pela ingestão de mais de 170g (ou seja, quase nada!) da carne deste peixe.

Vai no sushi? Pergunte qual é o peixe branco. Pergunte se é o Congro Negro. Se for, não coma muito. Se comprar pra comer em casa, vá devagar, ou o resultado pode ser este:


Se quiser saber mais, com direito a testemunhos de quem sujou as calças, leia.

EDIT: imagina se eu tivesse comido este peixe justo naquele dia!

MRJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário